Partido Socialista de Vila Viçosa

quinta-feira, abril 16, 2009

Terrorismo político

Porque me parece existir no nosso Concelho de Vila Viçosa um fenómeno que tenta ultrapassar os limites dos ideais do bom senso politico, ouvi e li um texto que vos peço uma leitura atenta e compreensível.

Vamos pensar o texto e retirar do seu conteúdo tudo o que de útil tem.

Francisco Costa - Terrorismo político

14 de Abril de 2009

Num ano de eleições onde a maioria dos comportamentos políticos aponta para a conquista ou reconquista do poder, temos tido mais ruído que compreensibilidade, apesar dos tempos aconselharem prudência e serenidade. Á habitual insinuação e calúnia, que serve de arma de combate na política mas que não deixa nem o agressor nem a vítima incólume (os brasileiros usam uma expressão muito apropriada que é a de jogar porcaria para cima da ventoinha), somamos o bota - abaixismo, o sectarismo e a cegueira política que habitualmente impede que se reconheça no opositor qualquer característica positiva ou capacidade de execução.

Chega a parecer que estes comportamentos negativos resumem o contributo que muitos têm para dar à democracia. Nada o impede e existe liberdade para que seja uma forma de estar na sociedade (apesar de haver quem defenda livremente que essa liberdade não existe), mas mina-a. E pouco se pode fazer quando a atitude se generaliza independentemente do atingido. Há pouco tempo vi um filme em que, a determinada altura, é contada a história que tentarei reproduzir: uma mulher caluniou alguém, contando uma mentira a algumas pessoas. Essa mentira multiplicou-se pela quantidade de vezes que esse pequeno grupo de pessoas a repetiu a outros grupos de pessoas. Muito rapidamente a mentira passou a facto que todos já conheciam. O visado ficou com a sua reputação arruinada. Perante o impacto da mentira a mulher que a lançou ficou consternada. O peso na consciência levou-a a contar a verdade a um padre e a pedir alívio. O padre pediu-lhe então que subisse ao telhado da sua casa, rasgasse uma almofada de penas e as soltasse ao vento. Foi o que fez. Voltou ao padre e contou-lhe que tinha feito o que lhe havia sido sugerido, espalhando milhares de penas pelo céu da sua rua. Mas acrescentou não ter sentido alívio nem compreendido de que forma o acto podia apagar o erro cometido. O padre pediu-lhe então que voltasse à rua e recolhesse todas as penas que a mulher havia espalhado pelo vento. A mulher respondeu-lhe aflitivamente que isso era absolutamente impossível de conseguir. O padre disse-lhe então que cada uma das minúsculas penas representava cada uma das pessoas a quem a mentira havia sido transmitida. Recolher todas as penas era tão impossível quanto apagar o efeito da mentira que se generalizou. Eis o efeito da calúnia. Essa tão útil e fácil destruidora de reputações. Se não consegues destruir uma ideia destrói o homem que a teve. Assim e não sendo possível impedir que as penas se espalhem pelo vento ou que alguém se arrependa do mal feito importa manter o rumo que foi traçado e que se continue a defender o mais importante, a verdade da ideia. É assim que se combate o terrorismo político.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home